O poeta do cerrado

Título: O poeta do cerrado
Autor: Hosanah Spindola de Ataídes
Editora: Pindorama
Ano: 2020
Número de páginas: 84
ISBN: 978-856990635-3
Tamanho: 15,5 x 22,0

Apresentar os poemas de Hosanah Spindola de Ataídes reunidos neste volume, intitulado “O Poeta do Cerrado”, não é tarefa difícil, porque já os ouvi todos declamados no calor da emoção, nas reuniões e saraus do Grupo Experimental da Academia Araçatubense de Letras.

Importando terminologia das artes plásticas, poderia classificar Hosanah como um poeta primitivista, cujos sentimentos brotam no coração e escorrem diretamente para a ponta do seu lápis.

Hosanah cursou Letras, mas não se deixou contaminar pelas teorias e nem se intelectualizou, não abandonou suas raízes plantadas no cerrado goiano, cujos galhos alcançaram o solo paulista.

Como ele mesmo diz, cursou Letras para acompanhar a esposa, animá-la. Obteve licenciatura, mas nunca lecionou, continuou sendo o vendedor de livros, aquele que batia de porta em porta, em crise diante da evolução da informática.

No canto Paisagens, que é saudade do homem urbano de sua raiz rural – há um poema, meio paródia da Canção do Exílio, com o título de Lamento, jogando com palavras terminadas em “a” e “i”, formando entre elas rimas alternadas, sem omitir a planta, orgulho de todo morador do cerrado, o pequi: Que vontade de estar lá / Em vez de estar aqui / Lá ver a flor do maracujá / E sentir o cheiro do pequi. Pequi, planta cantada nos versos da poesia matuta de Teo Azevedo.

No canto Habitat, o poeta do cerrado já fala de sua nova terra: o Noroeste Paulista, citando Araçatuba e Santo Antônio do Arancanguá. Hosanah enaltece as duas cidades, chamando a segunda de “minha Pasárgada”, numa referência à cidade fuga de Manuel Bandeira.

No canto Eles, Hosanah louva em seus versos familiares, amigos, professores e outras profissões, como advogado: Trabalha em busca da paz / Na solução do conflito / Dentro da legalidade / Seu trabalho é bendito.

No canto Elas, os poemas falam das mulheres, inclusive de Maria, mãe de Jesus; mas há também versos que cantam o amor erótico: Foi muito bom encontrá­ la / Relacionar com você / Sentir seu corpo / Com o meu se misturar.

A poesia de Hosanah Spindola de Ataídes é simples e pura, portanto, destina-se a corações com as mesmas virtudes.

Hélio Consolaro

Compre o livro no girafa amarela:


O poeta do cerrado