Last Hope - Uma viagem no tempo com as damas da ciência

Comprar!


Autores: Ricardo Hidalgo Santim, Jonas Fonteles Martins, Victor Felipe da Silva e Viviane Antunes Pereira
Editora: Editora Pindorama
Número de páginas: 52
Tamanho: 16x23cm
Produto Novo
ISBN: 978-85-69906-20-9



O ano de 2018 foi escolhido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) para falar sobre o tema “Ciência para a redução das desigualdades”.

Essa é uma iniciativa internacional, que é acolhida pelas instituições brasileiras, para desenvolver projetos, debates e reflexões que resultam em ações durante o ano para expressar os resultados desses trabalhos. Geralmente as atividades se concentram na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que acontece no mês de outubro de cada ano.

No primeiro semestre de 2018, enquanto professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), campus Birigui, estava lecionando a disciplina História da Física para uma turma de 5º semestre do curso de Licenciatura em Física. Nesse contexto, foi proposto aos alunos um desafio, em consonância com os objetivos da ementa da disciplina: falar da evolução dos conceitos da Física e as contribuições dos cientistas ao longo da história. Porém, a maioria das bibliografias falam dos cientistas mais famosos e na grande maioria, homens. Embora o machismo tomou conta da Ciência por séculos, existiram mulheres fantásticas ao longo da História, que tiveram contribuições fundamentais para o desenvolvimento atual da sociedade.

Por outro lado, um dos grandes desafios nos cursos de Licenciatura, principalmente em ciências exatas, é a permanência e êxito dos alunos. Esse é um assunto muito latente nas reuniões pedagógicas do IFSP. Nesse sentido, lançar um desafio para a turma foi uma estratégia pedagógica pautada em uma metodologia ativa, onde coloca-se o aluno como protagonista no processo de ensino-aprendizagem. Nesse caso, foi aplicada a APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS (ABP), em que um problema é lançado para a turma e eles devem propor uma solução. Para essa turma, em especial, foi proposto o desafio de refletir sobre este tema anual “Ciência para redução das desigualdades”, produzir e apresentar uma peça teatral, tendo como base a ementa da disciplina História da Física. Para isso, todos os alunos tiveram uma imersão em pesquisas, leituras, apresentações para os colegas e debates, com a finalidade de investigar, ao longo da história, quais foram os/as cientistas injustiçados(as). Durante os debates, os alunos perceberam uma convergência para as injustiças com as mulheres. Após a listagem de várias cientistas que tiveram trabalhos de destaque, mesmo sendo discriminadas por seu gênero, os alunos selecionaram três mulheres em momentos importantes da nossa história, para produzir o teatro: a cientista polonesa, naturalizada francesa, MARIE SKLODOWSKA CURIE (1867-1934); a filósofa, astrônoma e matemática egípcia HIPÁTIA DE ALEXANDRIA (?-415 d.C.) e a física austríaca LISE MEITNER (1878-1968). Os detalhes sobre os trabalhos e preconceitos sofridos por cada uma delas, estão descritos ao longo dessa obra, que articula realidade e ficção, em narrativas e diálogos ao longo de 4 momentos históricos importantes para os avanços da Ciência e superação do preconceito.

Então, no segundo momento, a turma foi dividida em equipes para produzir a peça: roteiristas, elenco, cenografia, narradores, iluminação e audiovisual. Enquanto professor, o meu papel foi assessorar cada equipe, gerenciar a sincronia dos trabalhos e mediar conflitos. Esses desafios são comuns nesse tipo de abordagem e cabe ao professor ter jogo de cintura e estar preparado para a mediação.

No total, foram pouco mais de 2 meses de pesquisa, produção e ensaios para a apresentação final, que tinha como meta o Show de Talentos da III Semana da Física e da Matemática (III-SEFISMAT), um evento local dos cursos de licenciatura do IFSP, campus Birigui, que geralmente ocorre no mês de maio. Então, o terceiro momento foi a apresentação do teatro para a comunidade local, com a finalidade de promover uma reflexão a respeito da importância da mulher na ciência, mesmo em épocas de machismo extremo há séculos. A apresentação aconteceu no auditório do IFSP, campus Birigui, para aproximadamente 200 pessoas. Essa primeira apresentação foi filmada e o link de acesso está no final dessa obra.

Vale destacar três resultados importantes com o desenvolvimento e a apresentação dessa obra.

O primeiro foi a reflexão promovida em uma instituição pública de ensino a respeito da importância da mulher em qualquer espaço, inclusive na ciência, combatendo qualquer discriminação por gênero.

O segundo resultado importante foi a contribuição para a formação docente, pois a produção e apresentação de um teatro traz elementos fundamentais para a formação do futuro professor: escrita, planejamento, trabalho em equipe, expressão corporal, senso crítico etc.

O terceiro foi a contribuição de uma metodologia ativa (ABP) para permanência e êxito dos alunos, sendo capaz de cumprir com os conteúdos curriculares da disciplina de forma dinâmica e crítica. Vale destacar que o teatro foi uma parte do desenvolvimento do conteúdo e também da avaliação, que desencadeou uma motivação e engajamento dos alunos ao longo do semestre, resultando em uma grande taxa de aprovação, que foi de 87,5%.

Essa é uma história com surpresas e reflexões, fatos e curiosidades, conquistas e preconceitos, encontros e fugas, injustiças e salvação, tudo isso em um roteiro brilhante, que articula ficção e realidade, para te envolver em um contexto, que só é possível de entender se você viajar no tempo com os personagens dessa obra.